Gráfico de Múltiplas Atividades

Quando uma operação requer a participação de vários recursos, tais como funcionários, ferramentas e equipamentos, o gráfico de múltiplas atividades pode ser empregado para avaliar o método de trabalho e buscar oportunidades de melhoria.

Esta ferramenta é uma extensão do gráfico de atividades, que mostra como as atividades de uma operação se distribuem ao longo do tempo. Dessa forma, o gráfico de múltiplas atividades representa graficamente como cada recurso participa da operação, destacando os momentos em que estão ociosos ou em utilização. Por isso, esta ferramenta é frequentemente usada para identificar recursos “gargalo” e mostrar quais recursos podem estar com altos índices de ociosidade.

Gráficos de múltiplas atividades comumente contém uma série de colunas verticais paralelas, cada uma denotando um centro de atividades diferente. A seguir podemos ver um exemplo simples, extraído do livro de Barnes (1977), que mostra uma operação de furação usando uma furadora de bancada automatizada.

Gráfico de Múltiplas Atividades - Exemplo 1

Neste exemplo, quando o operador aciona a furadeira, ele deve esperar todos os furos serem realizados antes de prosseguir com a retirada e limpeza da peça. A seguir podemos ver uma síntese do desempenho desta operação.

Gráfico de Múltiplas Atividades - Desempenho

Dependendo dos tipos de recursos envolvidos, os gráficos de múltiplas atividades podem receber diferentes nomenclaturas. Por destacar a interação entre um operador e uma máquina, o exemplo acima pode ser chamado de gráfico homem-máquina. Outro exemplo bastante comum é o gráfico da mão direita e esquerda (duas mãos).

A seguir podemos ver um exemplo de operação de guindastes para transportar tijolos que estão na rua até o ponto de uso em um andar elevado. Há uma equipe responsável por carregar tijolos quando o guindaste baixa o dispositivo de transporte. Quando a carga chega ao destino, ela precisa ser descarregada por uma segunda equipe.

Gráfico de Múltiplas Atividades - Exemplo 2

Esse exemplo mostra que o guindaste é o recurso “gargalo”, estando ocupado o tempo todo. Mesmo quando ele está sendo carregado ou descarregado, devemos considera-lo ocupado, pois ele não está disponível para fazer outra tarefa. Uma forma de aumentar a produtividade dessa operação seria aumentar as equipes de carregamento e descarregamento, o que reduziria o tempo dessas atividades e permitiria que mais ciclos fossem realizados. Contudo, altos índices de ociosidade podem ser observados em ambas as equipes. Isso pode ser resolvido atribuindo outras tarefas a esses funcionários durante os tempos de espera. Note que a atividade de transporte dos tijolos ao ponto de uso não é crítica e não precisa ter sua velocidade aumentada.

A formulação de gráficos de múltiplas atividades deve ser feita por observação direta, com cronometragem do tempo real de duração de cada etapa. Recomenda-se a observação de vários ciclos para estimar com maior precisão os tempos e a interação entre os vários centros de atividades. Ao observar vários ciclos, o analista de métodos poderá ter ideias de mudanças no processo para reduzir os índices de ociosidade e aumentar sua produtividade.

Os gráficos de múltiplas atividades também podem ser usados para propor novos processos. Sugestões de melhoria podem ser elaboradas graficamente para mostrar aos funcionários novas formas de interação entre as atividades e recursos ao longo do tempo.

Referências

BARNES, R.M. Estudo de movimentos e de tempos: projeto e medida do trabalho. São Paulo: Edgard Blücher, 1977.

KANAWATY, G. Introduction to work study. Geneva: International Labor Organization, 1992.

LEHTO, M.; LANDRY, S.; BUCK, J. Introduction to Human Factors and Ergonomics for Engineers. CRC Press, 2007.

Siga nosso blog e curta nossa página!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *